Beleza

Efeito sanfona nunca mais em 4 passos

Atualizado em 18 de maio de 2019
Efeito sanfona nunca mais em 4 passos

Gladia Bernardi, nutricionista e coach em emagrecimento, ensina como não cair nessa armadilha

“Efeito sanfona” é o nome dado para repetidos ciclos de perda e ganho de peso corporal. Existe uma variação anual que é considerada normal, entre três e cinco quilos. Quando essa alteração é maior, acima dos dez quilos, já é caracterizada como “efeito sanfona”.

Segundo a Abeso (Associação Brasileira do Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), entre 80% e 90% das pessoas que emagrecem acabam voltando a engordar. Além dos riscos à saúde, quem passa por esse fenômeno uma vez tende a se tornar uma “vítima” constante dele.

“É uma bola de neve”, diz Gladia Bernardi, coach e criadora do método Emagrecimento Consciente. “A cada vez que o indivíduo passa por essa experiência, o “efeito sanfona” é mais intenso e prejudica a autoestima.”

“Após o término da dieta restritiva, se não for criada uma nova rotina, com a adoção de novos hábitos saudáveis, a tendência é voltar a comer para compensar o período que foi visto como um período de privação”, explica a especialista. “É por isso que muitos voltam a engordar”.

Mas engana-se quem acha que o “efeito sanfona” é consequência de toda dieta e não pode ser combatido. Para Gladia, qualquer pessoa pode fugir deste problema ao incorporar no dia a dia alguns itens essenciais:

Mude sua mentalidade

Se a pessoa encarar os novos hábitos à mesa como uma reeducação alimentar, e não como uma restrição, terá a chance de mudar de vida de forma definitiva, cultivando um comportamento saudável que dificilmente será abandonado depois, e, por isso, não esbarrará no “efeito sanfona”.

A dieta não deve ser vista como um castigo ou um sacrifício. Combinado ao regime, é muito importante criar novos hábitos, como seguir horários regrados para se alimentar e passar a praticar exercícios físicos. Escolha atividades que sejam prazerosas para você, como pedalar, caminhar ou andar de patins. Assim, você considerará esse processo como um novo estilo de vida, e não como uma fase passageira”, recomenda.

Pesquisadores do National Weight Control Group descobriram que 90% das pessoas que conseguem manter o peso depois da dieta continuam a praticar exercícios físicos com regularidade. “Por isso, é muito importante manter o pique, mesmo depois que o período da dieta acabar”, ensina.

Escolha bem seu profissional de emagrecimento

Nos dias de hoje, ter o auxílio de um profissional da saúde para emagrecer acaba sendo tão importante quanto ter uma balança dentro de casa. “Não basta apenas fazer uma consulta e sair do consultório com um cronograma de dieta. É preciso ter um acompanhamento sério”, enfatiza Gladia.

Segundo a especialista, além da pessoa estar disposta a emagrecer, também deve estar atenta ao método do responsável pelo acompanhamento. “Em muitos casos, quando a pessoa volta a engordar, o fracasso é do profissional que a acompanha, cujo programa de emagrecimento pode não se adequar à rotina daquele paciente”, explica.

Dê um basta no sedentarismo

No Brasil, mais da metade dos brasileiros está acima do peso (53,8%), segundo o Ministério da Saúde. Em dez anos, além da parcela de obesos crescer 60%, o percentual de brasileiros com diagnóstico de diabetes aumentou 61,8% e os diagnosticados com hipertensão foi para para 25,7%.

Para a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), apenas 20 minutos diários de caminhada, no mínimo, quatro vezes por semana, é o suficiente a pessoa não ser classificada como sedentária. “Se a pessoa continuar a fazer exercícios e não cair no sedentarismo, com certeza não irá engordar logo após o emagrecimento”, aconselha Gladia.

Entretanto, os novos hábitos não devem ficar restritos a atividades físicas. “Ir à academia é ótimo, mas não é só isso. Por exemplo, troque aquele alimento calórico no fim de um dia estressante de trabalho por um banho relaxante”, ensina.

Fuja das “dietas da moda”

Para a nutricionista, o correto é evitar qualquer tipo de dieta da moda; “Dietas restritivas, que é característica comum desses regimes – como a privação completa de carne, de carboidratos, de açúcar ou de gordura- são prejudiciais por deixar o organismo sem os nutrientes indispensáveis para o bom funcionamento do corpo e da mente”, aconselha ela.

Leia Também

Conheça os 8 sabotadores da dieta e como vencê-los

Conheça os 8 sabotadores da dieta e como vencê-los

Detox de verdade: como emagrecer com a dieta

Detox de verdade: como emagrecer com a dieta

Conheça os riscos do jejum intermitente

Conheça os riscos do jejum intermitente

5 dicas para não deixar a dieta para lá no frio

5 dicas para não deixar a dieta para lá no frio

4 macetes para comer de forma consciente

4 macetes para comer de forma consciente

Curta nossa página

Siga no Pinterest