Equilíbrio

Acabe com os pensamentos negativos com essas atitudes

Atualizado em 12 de junho de 2019
Acabe com os pensamentos negativos com essas atitudes

Você leva a sério as lições de Marie Kondo no seu armário, ou pelo menos tenta  – e se esforça para manter o resto de sua casa linda e arrumada. Mas como anda seu ambiente mental?

Essa bagunça também precisa ser arrumada. Preocupações cotidianas (por que ele não me ligou de volta?) e preocupações subconscientes (não acredito que comi outro biscoito) ocasionalmente se acumulam e confundem sua mente. E, mais frequentemente, esses pensamentos caóticos e competitivos não são do tipo produtivo; eles apenas distraem você do que está acontecendo no momento e tiram energia preciosa de todo o resto das coisas que você precisa fazer.

Isso é extremamente desgastante e beira a autocrueldade. Felizmente para os que pensam demais, podemos aprender a arrumar a confusão mental e abrir espaço para coisas mais importantes. O primeiro passo é identificar os pensamentos que continuam te atrapalhando e tirar esse poder que eles têm. Entenda como.

Deixar o que passou para trás

Talvez sua sogra tenha se superado com sua mais recente atitude passivo-agressiva, ou um amigo tenha dito algo que causou grande aborrecimento. O que quer que tenha sido doloroso, ainda faz você estremecer mesmo que semanas já tenham passado. A raiva que você está carregando pode ser compreensível, mas isso te arrasta para baixo. Toda vez que você revê a ofensa ou ensaia um retorno, você desencadeia uma reação de estresse em seu corpo. E isso realmente não é necessário.

Limpe a desordem: Expressar seus sentimentos feridos pode ajudar a liberar rancor e seguir em frente. Se você está evitando um confronto, pode ser porque você não espera receber o pedido de desculpas que merece (especialmente da sogra). Há outra opção: rascunhar uma carta e depois jogá-la fora. A parte emocionalmente carregada do seu cérebro que precisa de fechamento não se importa realmente se a outra pessoa está ouvindo ou não. Então, mesmo apenas escrevendo seus sentimentos, você pode começar a superar sua dor.

Parar de esperar sempre pelo pior

Se seu lema pessoal é “Se algo pode dar errado, provavelmente dará”, esse tipo de pensamento catastrófico te faz gastar recursos mentais antecipando as transformações ruins dos eventos – digamos, seu filho não passando nas provas, por exemplo, ou o desempenho ruim de sua empresa. A preocupação com potenciais armadilhas pode criar uma espiral de negatividade que é difícil de controlar.

Limpe a desordem: você não pode banir pensamentos intrusivos, infelizmente. Tentar ignorá-los muitas vezes só os torna mais fortes. Mas você pode virar seus medos em seu favor para que eles sejam úteis. Veja esse truque: imagine o pior cenário possível e faça um plano de ação. Saber que você poderia realmente lidar com um resultado temido pode torná-lo menos assustador. Você também pode deixar que suas dúvidaste empurrem para frente de maneira saudável. Por exemplo, se você está preocupada que uma mancha na pele possa ser melanoma, vá procurar por tratamento. Se estiver preocupada com a segurança de um ente querido, envie-lhe uma mensagem de texto diga-lhe que o ama.

Parece que nada nunca está realmente terminado

As tarefas surgem em seus pensamentos como pequenos socos. Compre leite. Faça as unhas. Envie um email ao veterinário. Para que você não esqueça dessas coisas, seu cérebro continua lembrando você de novo e de novo.Mas, é claro, a sequência de interrupções evita que você se concentre na tarefa que deveria estar fazendo no momento em que recebe esses flashes.

Limpe a desordem: primeiro, se você ainda não o fez, anote sua lista em um pedaço de papel. Quando você anota suas tarefas, tira-as da cabeça – aliviando assim o cérebro de seu papel de lembrete principal. E tente limitar a lista aos seus itens essenciais. Há uma grande diferença entre o que você acha que precisa ser feito e o que realmente precisa ser feito. Além disso, você pode descobrir que, quando você deixa de assumir a responsabilidade por certas tarefas, outras as compensam. Talvez alguém em sua casa também queira leite e até mesmo possa comprar por você.

Você sofre com a síndrome do impostor

Apesar de todas as evidências em contrário, você não está convencido de que merece seu sucesso – e essa insegurança preenche sua mente com dúvidas. Você não confia em seus instintos e suas decisões. O problema é que nos conhecemos de dentro para fora. Então, mesmo que você seja ótimo em alguma coisa, você sabe sobre todas as vezes que você errou ou falhou no passado. E aquela vozinha dentro da sua cabeça continua sussurrando: “Você é uma fraude”.

Limpe a desordem: lembre-se de que você é humano – sério. Esse conjunto secreto de falhas que você está escondendo? Todo mundo tem um.Você não pode ser excelente sem cometer erros. Então, avalie melhor os seus pensamentos negativos sobre suas habilidades e pense nas vezes em que teve sucesso tanto quanto nas vezes em que falhou.

Tome cuidado com dietas muito rigorosas

Contar calorias, carboidratos, gramas de gordura – todo esse rastreamento pode ajudar realmente a perder peso e medidas. Mas também cria uma obsessão pela comida e transforma comer em um tabu. Entre os cálculos constantes, a culpa pelos deslizes e o inevitável efeito platô, um regime restritivo pode consumir uma boa dose de espaço cerebral.

Limpe a desordem: pergunte a si mesmo porque você está nesta Terra. Ok, isso é dramático – mas o ponto é, você certamente não está aqui para usar tamanho 36 ou eliminar a celulite (totalmente normal) em suas coxas. Seu corpo não existe para ser um ‘corpo de biquíni. É uma viagem que permite que você faça as coisas que realmente importam para você.Considere mudar para um plano de alimentação saudável mais sustentável, que seja mais suave para a sua mente. E quando você sentir os pensamentos de autocrítica, use-os para cultivar a gratidão. Por exemplo, você pode dizer: “Não amo a aparência das minhas pernas, mas agradeço porque elas me deixam correr com meu cachorro”.

Fonte: Health Magazine

Leia Também

Obesidade, gordofobia e a saúde mental

Obesidade, gordofobia e a saúde mental

Saúde mental no trabalho: dicas para equilibrar-se

Saúde mental no trabalho: dicas para equilibrar-se

Reciclagem emocional: viva melhor e mais feliz

Reciclagem emocional: viva melhor e mais feliz

Obesidade é doença do corpo ou da mente

Obesidade é doença do corpo ou da mente

Terapia: uma das melhores ferramentas para emagrecer

Terapia: uma das melhores ferramentas para emagrecer

Curta nossa página

Siga no Pinterest