Caminhada pode melhorar pressão arterial em até 24 horas

Resultados apontam que a atividade física ainda é um dos melhores remédios para controlar a pressão arterial

A caminhada é um dos exercícios físicos mais benéficos e democráticos. Inegavelmente ela controla a pressão arterial, diabetes, colesterol, além de proteger contra demência e assim ajudar a emagrecer.

Benefícios da caminhada não precisam de tanto tempo para serem percebidos

Um estudo realizado pelo educador físico Aluísio de Andrade Lima, na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE-USP), com 73 pacientes, de ambos os sexos, com doença arterial e idade média de 63 anos, mostrou que aqueles que caminharam mais durante a avaliação melhoraram resposta da pressão arterial ao longo de um período de 24 horas.

Os pacientes responderam a um questionário que avaliou o risco cardiovascular, confirmando o diagnóstico da doença arterial . Após o questionário, os participantes passaram por uma avaliação física onde caminharam em uma esteira até o máximo que conseguiram. “Assim, nós avaliamos a distância total que os participantes percorriam durante o teste na esteira”, explica o pesquisador.

Posteriormente, esses pacientes colocaram um aparelho que fica preso ao corpo durante 24 horas e que mensura e registra a pressão da pessoa em vários momentos do dia. Dessa forma, foi possível confirmar a relação entre os dois.

“Nós reunimos esses dois dados, analisamos e fizemos uma correlação entre eles. Assim, constatamos que os pacientes que haviam caminhado mais no teste da esteira apresentaram uma menor pressão arterial ao longo do dia”, conta Lima.

Caminhada pode reduzir a pressão arterial

Em pessoas que têm entupimento arterial, existe uma alta taxa de mortalidade. Isso pode ser explicado pelo aumento da pressão à qual esses pacientes estão submetidos no dia a dia.

Os resultados desse estudo sugerem que ações que aumentem a capacidade de caminhada desses pacientes podem reduzir a pressão arterial ao longo do dia, melhorando o prognóstico cardiovascular dessas pessoas.

O trabalho, realizado em parceria com o grupo dos professores Raphael Mendes Ritti-Dias e Gabriel Grizzo Cucato do Hospital Israelita Albert Einstein, ganhou o segundo lugar no Prêmio Melhor Pesquisa Aplicada no XVI Simpósio de Educação Física e Esporte. Este é um evento-satélite do XXXVI Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

* Com informações da Agência USP