Sedentarismo: um outro olhar sobre o tema

Será que o sedentarismo é culpa apenas do indivíduo considerado “preguiçoso” ou temos outras variáveis que fazem parte desse cenário? É o que vamos descobrir adiante

Muitos estudos apontam que o sedentarismo é o pai de todos os males. O principal vilão e contribuinte para o desenvolvimento de várias doenças, como diabetes, problemas cardiovasculares, pressão alta e obesidade, doenças essas que têm cada vez mais acometido pessoas no nosso século.

O primeiro passo é entender o conceito das palavras

Atividade física: é todo e qualquer esforço acima dos níveis de repouso. Ou seja, você pode praticar atividade física através de treinos estruturados, aulas coletivas ou alguma prática esportiva que você goste. Podem ser também atividades diárias, como caminhadas, subir escadas, andar de bicicleta ou até mesmo no âmbito doméstico ou no trabalho.

O comportamento sedentário: é medido pelo tempo que as pessoas permanecem sentadas e com pouca movimentação.

O outro lado

Sabemos que o ambiente também estimula comportamentos, desta forma, estendemos essa discussão para tudo o que está disponível em nossa volta. Por exemplo: com certeza nos edifícios modernos o elevador chama muito mais atenção e estimula muito mais você a pegá-lo comparado com a porta lateral da escada que, por muitas vezes, está escondida e é utilizada apenas como saída de emergência.

Com certeza há alguém que já pensou em praticar algum esporte ao ar livre e, quando se deu conta, os locais mais próximos não eram tão seguros. Ou então teria que percorrer alguns quilômetros para chegar ao local de treino. Isso acontece porque a maioria das cidades brasileiras não têm políticas públicas voltadas para o incentivo da prática regular de atividade física de forma viável, segura e com orientação profissional.

Um estudo feito pela PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) mostrou que as cidades que investem um pouco mais em segurança, têm uma população mais ativa. Esse estudo mostra que a criminalidade está diretamente ligada ao sedentarismo, ao qual tem a cidade de São Paulo liderando neste quesito. Isso se deve, principalmente, ao fato de a cidade ter parques e praças escuras, pouca polícia ostensiva e até à baixa disponibilidade de profissionais orientando sessões de treinos.

Combate ao sedentarismo

A atividade física está ligada a fatores que vão desde prazer, vontade, apoio social de outras pessoas até à estrutura, segurança, conhecimento do espaço, passando pelas políticas públicas definidas pelos órgãos governamentais.

O combate ao sedentarismo e a promoção em saúde estão se tornando temas cada vez mais abordados socialmente. Mas ainda falta muito para transformarmos a prática esportiva em cultura.

Além dos benefícios individuais, um país ativo pode economizar muito aos cofres públicos. Já que quanto menos sedentária a população se torna, menos doente ela fica, diminuindo internações em hospitais e consumo de remédios. Além de promover uma sociedade mais disciplinada e produtiva.

Os desafios estão aí, não podemos apenas nos culpar por não estarmos “em dia” com a nossa vida ativa. É importante continuar incentivando todas as pessoas a adotarem hábitos saudáveis. Porém, essa reflexão de divisão de responsabilidades também é importante, principalmente para construirmos um país mais saudável e menos sedentário.